Como escolher o melhor revestimento para banheiro?

Foto: Banho e Metal

Antes de pensar no modelo e finalmente realizar a compra, é preciso ficar de olho em aspectos que farão toda a diferença lá na frente. Não adianta só olhar o preço — que muitas vezes pode ser tentador — se a qualidade do produto não for boa.

Separamos abaixo outras características que precisam ser observadas durante o processo de escolha e aquisição do revestimento ideal para você. Qual é a cor do revestimento?

A cor é um ponto muito importante que não pode ser deixado de lado, já que as opções claras são mais comuns, mas também mais suscetíveis à sujeira.

Em um local onde o chão vai ficar molhado com certa frequência, é grande a chance de aparecer uma região de sujeira quando alguém pisa sem querer na água com calçados, por exemplo.

Fios de cabelo que naturalmente vão cair no chão também ficam aparentes. Isso não quer dizer que cores neutras devem ser vetadas, pelo contrário!

Elas são ótimas alternativas e existem em abundância no mercado. Tenha em mente apenas o fato de que pisos muito claros podem demandar maior necessidade de limpeza.

Se o banheiro recebe uma quantidade grande de pessoas e o cliente não tem tempo de passar um pano com maior frequência, aposte em tons não tão brancos, como o off-white. Você pode, também, analisar opções que seguem outra linha mas não deixam de ser claras, como o cinza.

Uma terceira ideia é mesclar revestimentos. Na área do chuveiro ou banheira, onde cai mais água, escolha um modelo mais escuro que contraste com o claro do lavabo e do vaso sanitário.

Se o espaço for maior, melhor ainda, pois banheiros pequenos podem acabar provocando sensação de “confusão visual” quando ficam muito carregados.

Também dá para mesclar entre piso e parede do banheiro. Se o chão for escuro, invista em uma parede mais clara, ou vice-versa. O resultado será incrível e moderno.

COMO ELE LIDA COM A UMIDADE?

Outro ponto importante é a relação entre revestimento e umidade. Já sabemos que a produção de vapor nos banheiros é grande, porém, muitas vezes nos esquecemos como um piso ruim afeta a estrutura de todo o cômodo.

Quando o piso “engole” grande quantidade de água, eventualmente uma infiltração vai acontecer. Os efeitos desse problema em pisos e paredes do banheiro são sérios e podem provocar as seguintes consequências:

  • acúmulo de mofo ou bolor;
  • complicações respiratórias nos moradores;
  • infiltração em quartos que fazem divisa com o cômodo;
  • manchas na pintura.

Além disso, o piso pode chegar a trincar e prejudicar toda a estrutura do local. A solução para todos esses problemas não é nada difícil: escolha modelos que sejam resistentes à água e à umidade em geral.

A madeira, por exemplo, não lida muito bem com a umidade e, em contato com ela, pode sofrer danos rapidamente. Uma ótima solução é usar porcelanato que reproduz esse material.

É DE FÁCIL LIMPEZA?

Revestimentos de pedra são mais difíceis de limpar e realizar manutenções. A madeira também não é tão fácil, visto que demanda um ambiente muito bem-ventilado para que não apresente manchas com tanta facilidade.

O porcelanato é um dos materiais mais práticos em questão de limpeza. Ele existe em inúmeras cores, estilos e até reproduz a estética do mármore e da madeira.

Caso você não queira abrir mão de algum material específico por questões de gosto e aparência, opte pelas reproduções. Elas são idênticas, visualmente falando, e capazes de proporcionar o mesmo efeito decorativo das alternativas mais complicadas de limpar.

Aspectos como o tamanho da peça também são cruciais na hora da limpeza. Quanto maiores forem as placas e menores os rejuntes, mais fácil será a limpeza, já que os rejuntes acumulam pequenas sujeiras que podem causar manchas.

Modelos com acabamento de borda reta são boas opções quando o objetivo é ter divisões menos aparentes entre peças.

Como exemplo, temos o porcelanato retificado, que pode ser aplicado com até 1,5mm de rejunte. A solução garante juntas menores e traz efeito diferenciado, dando a impressão de que se trata de uma única peça no piso.

ELE É ESCORREGADIO?

A segurança deve ser sempre colocada em primeiro lugar. O principal ponto em relação aos revestimentos para banheiro, em especial aqueles aplicados no piso, é o risco de escorregamento que ele pode proporcionar.

Pisos lisos e brilhantes demais costumam ser escorregadios. Então, caso o seu cliente insistir em um modelo que não é tão adequado, existem produtos que prometem deixar o chão mais resistente ao escorregamento.

O ideal, porém, é comprar pisos que já vêm com essa especificação — e isso precisa ser bem explicado para ele.

Não é preciso abrir mão de um porcelanato brilhante, por exemplo, ou de um mármore. Como já falamos anteriormente, é possível mesclar opções, usando aquelas mais seguras na área onde haverá grande circulação de água e deixando os brilhantes nos locais menos suscetíveis a acidentes.

Porcelanatos acetinados são os mais indicados, os polidos nem tanto. Além disso, o modelo acetinado também tem baixo nível de impermeabilidade, o que diminui muito a necessidade de manutenções.

QUAL É A ÁREA DISPONÍVEL?

O espaço reservado para o banheiro no projeto é muito importante. Se ele é pequeno, saiba que a escolha correta do revestimento consegue dar uma cara nova para o cômodo. Se é grande, ao contrário, as opções são praticamente ilimitadas.

No caso de locais maiores, é possível abusar de cores e materiais, fazendo contrastes interessantes e inusitados. Aquele assunto de misturar revestimentos pode ser muito bem aproveitado em cenários onde o banheiro é grande.

Por exemplo: que tal usar essa técnica para “separar” visualmente as áreas presentes no mesmo cômodo? A divisão ocorre a partir da percepção do contraste entre cores ou materiais distintos, como branco + marrom ou mármore claro + madeira escura.

Fonte: archtrends.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *